sábado, 14 de dezembro de 2013

Pão recheado

O que eu melguei para conseguir esta apetitosa entrada. Bom, pode servir de entrada ou petisco. Confesso, que quando a provei, forma de falar, que na realidade não petisquei nem provei, comi, e comi como se costuma dizer, à grande e à francesa.
Uma diferente e excelente opção.
Necessitamos de:
1 pão grande
Presunto em cubos
Fiambre em cubos
Queijo de Ilha.
Queijo Mozarela
Queijo Emnetal
2 a 3 dentes de Alho
3 ovos
Salsa frsca
Maionese
250g de manteiga
Cubos de amor
Cubos de paixão.

Retiramos a parte de cima e o miolo do pão.
Numa taça, misturamos os ingredientes, juntamos a maionese e os ovos para ligar, e um pouco do miolo do pão.
Com esta mistura recehamos o pão.
Levamos ao forno, a 180º durante 10 minutos.

Servimos com tostinhas.

Arroz de côco

Quando me falaram desta receita, julguei que me estavam a prachar. Arroz de côco, feito com leite de côco, para acompanhar um refeição???
Pois, pois, respondia eu. Arroz de côco.
Conheço uma sobremesa que é feita com arroz, e leite de côco, mas arroz cozinhado em leite de côco, desconhecia. Estamos sempre a aprender.
Até que um dia vi na tv, o Jamie a apresetar essa receita.
Fiz, e... surpreendente... pela positiva.

Precisamos de:
1 lata de leite de côco magro.
1 lata de arroz, usem a mesma lata.
1 lata de água a ferver.
1 lata de paixão.
1 lata de amor.

Deixem o arroz cozer como normalmente fazem.

domingo, 5 de maio de 2013

Sobremesa para o Dia da Mãe



Esta deliciosa sobremesa foi dada e colocada por uma mãe.
Todas as mães são especiais e importantes. É uma receita simples que qualquer filho vai adorar preparar para adoçar o paladar da sua mãe. Os filhotes mais canixinhas vão adorar esborrachar os suspiros.
Que melhor prenda que um filho pode dar a uma mãe que uma sobremesa preparada por ele.


Doce de Frutos Vermelhos

Ingredientes:
400 gr de frutos vermelhos congelados
2 ou 3 pacotes de natas batidas
3 colheres sopa açucar por cada pacote de natas
80 gr suspiros brancos secos por dentro
Amor e paixão!

Preparação:
Colocar no fundo de uma taça alta os frutos vermelhos congelados (guardar alguns para enfeitar por cima), bater as natas com o açucar e despejar por cima da fruta. Partir a murro os suspiros num saco de plastico e espalhar por cima das natas....Enfeitar com o resto guardado de frutos vermelhos.
A quantidade das natas depende do tamanho da taça.....e da fruta, claro!

Até servir fica no frigoíifico.....

É uma delicia!


segunda-feira, 1 de abril de 2013

Moelas para picar

Moelas, é daqueles pratos que todos seabem cozinhar, só que não acreditam nisso.
Existem várias receitas de moelas, podemos e devemos dar oportunidade à nossa imaginação e criatividade.
Se não nos sentirmos muito motivados para inventar uma receita, deixo-vos com umas das muitas combinações de ingredientes.

Precisamos de:
1Kg de moelas
1 Cebola picada
2 Dentes de alho picado
1 chouriço de carne
Folhas de louro (se forem frescas, melhor)
100g margarina, gosto de usar manteiga
Sal
Piripiri
1 Cálice de vinho branco
1 Cálice de whisky, facultativo
Água
Amor
Paixão

Iniciamos por limpar muito bem as moelas, removendo as peles e gorduras.
Lavar muito bem.
Enquanto as moelas escorrem, aproveitamos para picar a cebola o alho e as folhas de louro.
Cortamos as moelas em pedaços.
Cortamos o chouriço em cubos.
Num tacho, refogamos na menteiga a cebola, e o alho.
Quando a cebola alourar, adicionamos o chouriço.
Juntamos o vinho branco.
Deixamos a refogar mais um pouco.
Juntamos as moelas.
Temperamos com sal.
Acrescentamos o piripiri, a gosto.
Deixamos cozinhar um pouco mais.
Acrescentamos água, como as moelas são rijas, necessitam cozinhar bem para ficarem tenras.
Tapamos o tacho e deixamos cozinhar durante cerca 40 minutos.
Antes de servir, acrescentar amor e paixão

sábado, 30 de março de 2013

Camarões em molho de hortelã e coentros

As minhas brincadeita culinárias, levaram-me a outras brincadeiras. Na minha varanda, criei uma horta de aromas. Levou tempo. E tempo, e tempo... Vai que um dia, quando ia regar a terra, noto que existem pequenos pontinhos verdes a aparecer no meio da terra. Ah, finalmente decidiram aparecer.
Bom, mas o que é que isto tem a haver com esta receita? Até tem. Dei por mim com imensa hortelã.
Comecei logo a magicar se não haveria nenhuma receita de camarão com hortelã. Perguntei, procurei, e eis que encontrei uma, bem ao meu lado, ou quase, no blog "Intrusa na Cozinha". Alterei um pouco com o meu toque.

Necessitamos de:
1 kg de camarões
Cebolas
50g de margarina, eu opto pela manteiga, acho que dá outro paladar,
Coentros picados
Folhas de hortelã picada
1 colher de whisky
Sal
Piripiri, sim, já sabem, sou adepto do picante.
Amor
Paixão

Passemos à preparação:

Começamos por arranjar os camarões.
Depois de descongelados, descascamo-los. A casca sai facilmete. Decidi deixar a cabeça, pois acho que dá outro paladar.

Cortamos as cebolas às rodelas.
Refogamos a cebola na margarina/manteiga.
Assim que alourar, juntamos os camarões.
Deixamos cozinhar durante uns 20 segundo.
Temperamos com um pouco de sal.
Regamos com o whisky.
Adicionamos os coentros e a hortelã.
Acrescentamos o piri-piri, o amor e a paixão.
Deixamos cozinhar até ficarem com aquela cor encantadora.

Surpreendente o resultado.

sexta-feira, 29 de março de 2013

Gomas à Mãe Pimpas

Hoje a Mãe teve uma ajuda especial e gulosa na cozinha, o pequenote quis fazer as gomas que já tinha provado e adorado... a Mãe procurou e puseram mãos à obra!

Para começar precisamos de:
35g de gelatina em pó neutra
1 saqueta de gelatina de sabor à escolha para esta nós usamos de ananás)
200ml de água
300g de açúcar
açúcar para envolver as gomas com muito amor e paixão...


E depois: Colocámos todos os ingredientes num tacho e mexemos bem até dissolver. Levámos depois a lume brando e deixámos ferver 5 minutos mexendo de vez em quando. Colocámos depois a mistura em formas de silicone para bombons e gelo, deviamos ter untado com um pouco de óleo vegetal, mas esquecemo-nos ;). (Se não tiver este tipo de formas coloque a mistura num tabuleiro previamente forrado com papel vegetal)

Levámos a solidificar algumas horas ao frigorífico. Depois com as formas de silicone, bastou desenformar as gomas e passá-las por açúcar. Se usou o tabuleiro, desenforme, retire o papel vegetal e corte-as em cubinhos, passando-as depois pelo açúcar. Guarde num recipiente fechado.


Arroz de camarão para repetir

Pois... é mais uma receita de camarão. Vira o disco e toca o mesmo. Todos me dizem que um dia abro um restaurante que só serve camarão. Na brincadeira, quando convido o pessoal para jantar, marco o encontro no Palácio do Camarão. Quem sabe um dia.
Quer a nossa tradição, que hoje, sexta feira Santa, não se coma carne. Como não almoço em casa, tenho uma refeição resolvida. Para o jantar vou preparar um arroz de camarão. Não digo gambas, pois um amigo brasileiro já me perguntou se eu comia gambá. Gambá? respondi eu, onde foste encontrar essa?
Ah voce fala em gambas, isso não existe no Brasil.
Sempre a aprender. Então, em vez de arroz de gambas, que tem um nome muito mais apelativo, é arroz de camarão. Sinceramente, é mais selecto. Arroz de camarão.

Precisamos de 1kg de camarão, que vai se cozido em casa. Se quiserem podem compra-lo já cozido, perdem é a água da cozedura, um dos segredos do paladar desta receita.

Regressando aos ingredientes:
Amor
Paixão
1 Kg de camarão congelado
3 Tomates vermelhos
Arroz, usei arroz agulha
Sal grosso
Azeite
Piripiri a gosto
1 cebola grande
1 Pimento encarnado
1 Pimento verde
Dentes de alho
Coentros
Água q.b. da cozedura do camarão, não a deitem fora. a que sobrar pode ser aproveitada como base para uma sopa, por exemplo.

Começamos por cozer o camarão, aqui no blog já dei essa receita, aproveitem e adaptem-na.
Costumo coze-los em água com sal, uma cebola, um dente de alho, uma folha de louro e um piripiri.
Como já temos o camarão cozido, reservamos alguns com casca para decoração do tacho. Sim o tacho vai à mesa, não quero que se perca o perfume com as trocas de recipiente.
Os restantes, temos que os descascar. Guardem as cascas e as cabeças, podem ser aproveitadas e trituradas juntamente com a àgua da cozedura para outra finalidade.
Como já temos os camarões preparados, passamos ao arroz.

Num tacho alto, cobrimos o fundo com azeite
Juntamos a cebola picada mais 3 dentes de alho levemente picados
Deixamos refogar até à cebola ficar translúcida.
Neste momento, juntamos o tomate, e os pimentos já cortados, não se esqueçam de reservar uma parte de ambos os pimentos.
Quando tudo estiver cozido, apagamos o lume.
Com a varinha mágica, aqui incluo um pouco de magia, trituramos tudo até obtermos um creme.
Acendemo de novo o lume e em lume baixo juntamos as medidas de arroz.
Envolvemos bem o arroz no creme, e deixamos cozinhar até ferver em lume médio,
Assim que começar a fervilhar, baixamos para lume mínimo.
É neste momento que começamos a adicionar a água onde cozemos os camarõres, aos poucos, até ao arroz estar feito. Se quiserem, podem coar a água antes de a adicionar ao arroz.
Quando o arroz estiver quase cozido, juntamos os camarões, sim aqueles que nos deram uma trabalheira a descascar.
Juntamos um pouco mais de água, para que o arroz fique mais solto.
Adicionamos a gosto o resto dos pimentos encarnados e verdes cortados aos pedacinhos.
Desligamos o fogão.
Polvilhamos com amor, paixão e coentros picados.
Servir de imediato.


.

quinta-feira, 28 de março de 2013

Mexilhões à Homem do Mar

Este petisco, para quem se delicia como eu com mexilhão, foi-me ensinado pela minha avó. Aprendeu com o meu avô, um homem que sempre viveu do e para o mar.
Contam que ambos, o meu avô e o mar, tinham longas conversas.
Uma curiosidade, é que nunca iniciava uma pesca sem antes pedir autorização ao mar.
Adoro mexilhão, e como tal, não podia deixar de incluir esta receita de Mexilhão à Homem do Mar.

O mexilhão é uma marisco que cozinha rápido, o demorado é limpá-los, mas o que investimos nessa tarefa vale a pena. O resultado é... experimentem

Precisamos de:
2 a 3Kg de Mexilhão (bem lavados,, limpos e arranjados, lavem-nos mais umas vezes)
1 Cebola grande cortada às rodelas. Gosto de ver as tiras de cebola, acho que dá mais paladar.
1 Pimento vermelho cortado aos cubos
1 Pimento verde cortado aos cubos
2 a 3 Dentes de alho picados
1 Copo de vinho branco
Salsa picada
Azeite
Vinagre
Piripiri para quem gosta, pode ser substituido por pimenta preta
Sal q.b.
Colorau, para o paladar e um pouco côr.
Paixão
Amor

Lavamos e limpamos muito bem os mexilhoes.
Depois de arranjados, lavamos mais uma ou duas vezes.
Por favor, deitem for todos aqueles que tiverem as conchas partidas.

Num tacho colocamos o vinho branco, sugiro que usem o mesmo que forem servir.
Colocamos os mexilhões no tacho, tapamos e deixamos cozinhar até estes abrirem. Os mexilhões cozem rápido, 3, 5 minutos será suficiente.
Retirem os mexilhões do tacho, e coloquem-nos numa travessa.
Rejeitas aqueles que não abriram, é importante que façam isso. Podem não estar bons.
Num outro tacho, fazemo um refogado com a cebola e o alho.
Acrescentamos o pimento vermelho e o pimento verde.
Adicionamos o piripiri.
Mexemos e deixamos o refogado apurar.
Assim que começar a ganhar uma côr alourada, temperamos com um pouco de sal e o colorau
Mexemos mais um pouco, e juntamos um pouco de vinagre.
Deixamos ferver um pouco.
Apagamos o lume e juntamos a salsa.
Espalhamos o molhos por cima dos mexilhões.
Despejamos uma mão cheia de amor e paixão.

Servimos e esperamos que nos peçam a receita. Fazemo-nos rogados, mas damos.
Para acompanhar o mesmo vinho branco que usamos para abrir os mexilhões.






sábado, 23 de março de 2013

Cafriel de frango por Jesus Lee

Simples e muito delicioso.
Adorei a frase: "Se queres aprender, mete no tacho".
Foi o que fiz.

Li esta receita de Jesus Lee, na revista Visão nº 1043 de 28 de fevereiro a 6 de março de 2013.
Deixo aqui o link: http://visao.sapo.pt/cafriel-de-frango=f717858

Alterei a receita adicionando dois ingredientes que todos nós temos  em casa, Amor e Paixão.
Sim, ã receita não menciona as quantidades, daí que para aprendermos, só temos que meter no tacho e esperar o resultado. Se correu, bem, da próxima corre melhor. Sigam o conselho, meter no tacho e aprender.

Necessitamos de:
Frango do campo
Cebola
Sumo de tamarino
Coentros frescos
Açafrão da Índia
Gengibre
Malaguetas verdes
Canela
Alho
Azeite
Sumo de limão
Cravinho
Sal

Picamos os coentros, o alho, as malaguetas e o cravinho
Juntamos o açafrão, o gengibre e a canela, o sal.
No final juntamos o sumo do tamarino e limão a gosto.
Cortamos o frango em pedaços, e juntamos ao preparado onde deixamos marinar durante 3 horas.
Fazemos um refogado de cebola, com pouca gordura, e juntamos o frango,
Deixamos cozer em lume brando, durante cerca meia hora.
Antes de servir, juntamos uma grande quantidade de amor e paixão.
Servimos com arroz branco.

Jesus Lee recomenda as quantidades devem ficar ao critério e a gosto de cada um: "Se queres aprender, mete no tacho",
Um apelo à nossa criatividade.

quarta-feira, 13 de março de 2013

Refogado de búzios à avô Leão

Nas minha arrumações, encontrei no meio de antiguidades de papel uma receita do meu avô. Búzios refogados. Contaram-me que em dias especiais, avô gostava fazer esta especialidade de cabo verdiana.
Recordo que numa das minhas viagens a Cabo Verde, ter provado esta iguaria numa das refeições.
Não sei se foi do refogado de búzios se foi da água de Santo Antão, sei é que fiquei bem reconfortado. Não vos vou dizer o que é a água de Santo Antão, deixo à vossa imaginação.

Necessitamos de:
1kg de búzios
1 Cebola picada
3 Dentes de alho
1 a 2 Folhas de louro (se forem frescas, ainda melhor)
1 Tomate grande, maduro picado
Salsa picada
Sal
Azeite
Grogue (se não tiverem, inventem, aguardente, vodka...)
Piripiri.
Amor
Paixão

Cozemos os búzios em água e sal (dada a dificuldade de termos água do mar, coisa que é banal em Cabo Verde), até que o molusculo fique mole. O búzio fica desagradavel quando rijo,
Deixamos arrefecer, e cortamos em pedaços pequenos. Como se fossemos fazer uma salada de búzios.
Numa frigideira, colocamos o azeite e refogamos a cebola com o alho.


Salada de Lagosta à Cabo Verdiana

Em Cabo Verde até há, ou havia muita lagosta. Também sei que a sua grande procura por parte dos turistas, levou a que o sue preço fosse imflacionado.
É uma forma interessante e diferente de apresentar e comer uma lagosta.
O mais complicado da receita, é mesmo a lagosta.

Temos que arranjar:
1 lagosta
Azeite
Vinagre
4 ovos
1/2 kg de batatas
Amor
Paixão

Cozemos a lagosta em água e sal.
Demora cerca 20 a 30 minutos, depende do tamanho da lagosta.
Cozemos as batatas juntamente com os ovos.
Depois da lagosta cozida, temos que a arranjar.
Tiramos a casca e a tripa do dorso.
Com cuidado, tiramos o "lombo" que cortamos aos bocados..
Descascamos as batatas, os ovos e cortamos às rodelas.
Pomos tudo numa saladeira, temperamos com amor, paixão, sal, azeite e vinagre.

Búzios Refogados

Nas minha arrumações, encontrei no meio de antiguidades de papel uma receita do meu avô. Búzios refogados. Contaram-me que em dias especiais, avô gostava fazer esta especialidade de cabo verdiana.
Recordo que numa das minhas viagens a Cabo Verde, ter provado esta iguaria numa das refeições.
Não sei se foi do refogado de búzios se foi da água de Santo Antão, sei é que fiquei bem reconfortado. Não vos vou dizer o que é a água de Santo Antão, deixo à vossa imaginação.

Necessitamos de:
1kg de búzios
1 Cebola picada
3 Dentes de alho
1 a 2 Folhas de louro (se forem frescas, ainda melhor)
1 Tomate grande, maduro picado
Sala picada
Sal
Azeite
Grogue (se não tiverem, inventem, aguardente, vodka...)
Piripiri.
Amor
Paixão

Cozemos os búzios em água e sal (dada a dificuldade de termos água do mar, coisa que é banal em Cabo Verde), até que o molusculo fique mole. O búzio fica desagradavel quando rijo,
Deixamos arrefecer, e cortamos em pedaços pequenos. Como se fossemos fazer uma salada de búzios.
Numa frigideira, colocamos o azeite e refogamos a cebola com o alho.
Juntamos o tomate já picado e as folhas de louro.
Colocamos, este passo é importante, o lume muito baixo.
Adicionamos os búzios, já cortados, temperamos com sal, e acrescentamos o piripiri.
Assim que começar a refogar, regamos com o grogue,
Com muito cuidado, para não provocar nenhum acidente, pegamos fogo.
Deixamos arder até o álcool evaporar.
Para terminar, uma mão de paixão e amor.

Foi-me servido com uma cleps, mas a companhia de um vinho verde fica bem.


segunda-feira, 11 de março de 2013

Refogado de camarão à Portuguesa

Mais uma receita de camarão que me deram e que ainda não fiz.
Pelos ingredientes parece-me apetitosa.
Quem sabe se um dia não convido quem me deu a receita para servir de cobaia.
Vamos lá lavar as mãoe e vamos cozinhar.

Vamos precisar de:

50g manteiga
2 cebolas picadas
1 copo de água
3 dentes de alho, picados
Salsa fresca picada
Açafrão
Açafrao dissolvido em àgua morna, mais ou menos durante 15 minutos
1 copo de vinho tinto
Sumo de limão
Sal marinho, não havendo pode ir mesmo sal grosso
Pimenta preta
Pimenta vermelha
800 g de camarão descascado:
Amor
Paixão

Num tacho, começamos por refogar a cebola na manteiga até alourar.
Baixamos um pouco o lume.
Adicionamos o alho a salsa e o açafrão.
Deixamos refogar mais 5 minutos.
Adicionamos a água e água de açafrão (o açafrão dissolvido na água).
Tampamos o tacho e  deixamos cozinhar por mais 5 minutos.

À parte, misturamos o sumo do limão no vinho tinto.
Adicionamos a mistura ao nosso cozinhado, baixamos um pouco o lume e deixamos ferver até que o álcool evapore.
Reduzimos novamente o lume e deixamos cozinhar mais um pouco
Adicionamos o camarão,
A gosto temperamos com sal, pimenta preta, e pimenta vermelha esmagada.
Deixamos cozinhar até o camarão ter aquela cor laranja.
Antes de apagar o lume, acrescente amor e paixão.
Servir em pequenas tigelas com pão duro para ensopar
e ou pode com arroz.

Se experimentarem, digam-me.

sexta-feira, 8 de março de 2013

Sigá ao modo da mãe do Jan

De quando em vez, perguntava ao Jan, o Janilson meu amigão da Guiné-Bissau, mas nascido em Portugal, quando é que me convidava para ir almoçar a casa dele. Fazia-o na brincadeira. Convidava-me sempre que o via: Então Jan quando é que vou almoçar ou jantar a tua casa?
Respondia-me com o habitual sorriso simpático.
Um dia, antes de ter oportunidade de me convidar, diz-me:
- A minha mãe veio da terra, conta contigo para jantarmos.
Os olhos muito acessos: - vai fazer Sigá. Não te digo o que é, nem dou a receita.
E lá fui eu.
Mal tinha sido apresentado à Sra dona Maria, mãe do Jan, diz-me:
- Filho ajuda-me aqui, assim aprendes a fazer Sigá.

Bom, vamos aos ingredientes, que estou com apetite:

400 g de quiabos (canje)
1dl de óleo de palma (cíti)
1kg de camarão descascado
Sal
1 cebola picada
200 g de jagatu (soube que era uma espécie de tomate, mas mais amargo que o nosso. Fizemos com tomate normal)
piripiri (a gosto)
Amor
Paixão

Num tacho cozemos os camarões descascados num pouco de água, já com a cebola picada, sal e o piripiri.
Juntamos os quiabos (canje)
Adicionamos tomates cortados às rodelas (jagatus)
Acrescentamos o óle de palma (cíti)
E pomos mais um pouco de água.
Tapamos o tacho e deixamos cozinhar.
No momento de servir acrescentamos Amor e Paixão.
Foi servido com arroz branco.

Gostei tanto, que continuo a fazer-me de convidado.

quinta-feira, 7 de março de 2013

Camarão frito com caril

Não sou grande adepto de fritos, mas, há sempre um mas. Uns não queriam camarão cozido, outros não estavam virados para os grelhados, ainda falei nuns camarõezinhos à Moçambicana. Acho que estavam todos combinados para me obrigarem a fazer camarões fritos. Mas, mais um mas, tive que dar o meu toque pessoal.
Necessitamos de:

Paixão
Amor
1 Kg de camarão (descongelado)
6 a 8 dentes de alho (esmagados ou laminados)
Malaguetas - piri-piri (a gosto)
Azeite
Sal
Whisky (não obrigatório)
Caril (não obrigatório, passa a ser camarão frito sem caril)
Limões

Quando o camarão estiver descongelado, abrimo-los parcialmente pelo dorso e retirarmos a tripa. Esta operação é importante, o camarão fica com outro sabor.
Atenção para o camarão não ficar dividido em duas metades. Se acontecer... fica bom na mesma.
Temperamos com sal e reservamos algum tempo.
Se tiverem paciência, optem por secar um pouco os camarões antes de os fritarem.
Numa frigideira, ou  num tacho, fica ao vosso critério, colocamos uma quantidade de azeite, o que acharem indicado. Também se pode fazer com óleo, margarina, uma combinação dos dois ingredientes, mas, olha outro mas, como só tinha azeite, fiz com o que tinha.
Colocamos o azeite no recipiente, (assim resolvo a questão da frigedeira e do tacho), deixamos aquecer.
Acrescentamos os alhos já esmagados, o piripiri, e aguardamos que o azeite receba os aromas e paladares do alho.
Assim que o ar começar a estar perfumado com o aroma do alho, adicionamos os camarões.
Ter atenção em ir virando os camarões para ficarem fritos de ambos os lados.
Quando estiverem quase fritos, retiramo-los e reservamos nun recipiente à parte.

Agora vamos tratar do molhinho:
Depois de termos tirado os camarões do recipiente, adicionamos um cálice de whisky. O whisky é opcional, mas dá alma.
Adicionamos uma colher de sobrmesa de caril, e deixamos que o álcool evapore.
Depois, acrescentamos de novo os camaões para estes receberm os novos aromas e paladares.
Antes de chamarmos os meninos para a mesa, polvilhamos com muito amor e paixão.
Servimos com limão cortado aos gomos, para quem goste.
Sim, podem molhar o pão no molho, não deviam... um dia não são dias.